Quarta-feira, 14 de Dezembro de 2011
Regresso ao Interior

Ana Teresa Mota | Consultora de Recursos Humanos

 

O mercado de trabalho tem destas coisas. Há alturas em que parece que os empregos fogem e mudam de sítio. Provavelmente significa apenas que os empregos nas grandes cidades são poucos e que no interior ainda vão sendo alguns.

Em tempos normais, diria que encontrar trabalho no interior não é tarefa fácil.  Atualmente penso exatamente o contrário. Há vilas no centro do país, mais no interior ou mais no litoral, com emprego. Zonas industriais que vão resistindo e pequenos centros turísticos que absorvem mão de obra. Alargar as nossas buscas é suficiente para tornar maior o número de oportunidades – empresas de trabalho temporário que fazem colocações nas câmaras municipais, centro de emprego que é nacional e portanto mostra oportunidades em outras zonas, para além da nossa, jornais regionais e até as páginas de internet das câmaras municipais.

Porquê esta sugestão, num contexto de flexibilidade?

Porque me encantei por Vila de Rei, no topo do distrito de Santarém. Tem escolas excelentes e uma cidade inteira virada para crianças, uma biblioteca muito concorrida e pavilhões desportivos, tem praias fluviais e piscinas. Tem jovens e crianças a passear na rua e os supermercados ocupam metade do seu espaço com coisas para crianças. Depois conheci duas ou três famílias com crianças.Têm consolas? Roupas da moda? Telemóveis? Nem por isso. Têm quintais, têm animais de estimação, têm os pais em casa às 6 da tarde.Vão todos à missa ao domingo, sendo que o miúdo fica na catequese e depois vai brincar para o jardim no centro da vila. Sozinho, aos 6 anos. Correção, sozinho não. Vão todos, uns 10 miúdos à solta e aos gritos, com uma bola nos pés. E as mães descansadas, porque ali toda a gente olha por eles.Uma das famílias veio de Lisboa. Instalou-se há algum tempo por estas bandas e duplicou o número de filhos. Porquê? Porque aqui é fácil ter filhos. É fácil vê-los crescer felizes e saudáveis. Os serviços públicos cobrem as grandes necessidades, porque há escola e centro de saúde, porque há desporto e cultura, porque há jardins e parques. O dinheiro não será muito. Provavelmente nunca. Mas não sei se é assim tão importante. Aqui, na grande cidade, temos tudo perto. Tudo o quê? As rendas que custam 4 vezes mais do que no interior? Os centros de saúde onde não se consegue uma consulta senão com seis meses de espera? As escolas que estão a abarrotar, com professores cansados e lutas permanentes? Os transportes onde perdemos duas e três horas diárias? Os centros comerciais onde compramos o que não precisamos porque não há mais nada para fazer ao fim de semana? Ali as coisas não estão perto. Para tudo dá jeito ter carro. Confirmo. Mas sem carro também se sobrevive, em especial dentro de uma cidade. Também assisti à senhora do talho a combinar com uma velhota, uma boleia até Abrantes. As pessoas ali tomam conta umas das outras. As vizinhas partilham a rega da horta e o olho que vão deitando às ovelhas de todos.

Não estou a sugerir que as pessoas que sempre tiveram profissões de escritório, se dediquem à agricultura. Longe disso, mas há escritórios, empresas, zonas industriais, comércio, turismo.

Vai havendo emprego e para completar o salário, há sempre trabalho. Apanha da azeitona é o prato do dia até ao final do ano, mas logo a seguir há mais coisas. E dá dinheiro. Não é muito, mas dá.

Antes de considerar o triplo emprego, a economia paralela, a caridade... muito antes, vale a pena pensar em alternativas longe do cimento e do alcatrão. Onde a vida é mais simples e as crianças crescem perto dos pais. Onde o tempo é nosso aliado.



publicado por flexbilizar ~ conciliar às 20:55
link | comentar

Segunda-feira, 12 de Dezembro de 2011
Comercial - aprender para viver melhor

Ana Teresa Mota | Consultora em Recursos Humanos

 

Ao longo dos últimos tempos duas verdades me têm saltado para os olhos, de tal maneira óbvias que me levaram a pô-las por escrito.

Algumas pessoas têm pedido ajuda para encontrar empregos, em alguns casos de forma assustadoramente frágil, noutros com segurança, mas sempre em situação difícil e regime de emergência.

A primeira grande verdade é simples, basta olhar para os anúncios de jornais: os empregos para os comerciais existem. As empresas oferecem melhores condições e em alguns casos total liberdade de gestão de horário. Este último ponto foi o que me levou a escrever sobre o assunto aqui.

Acontece que a maioria das pessoas que eu tento ajudar, coloca logo de partida como objeção trabalhar numa função comercial. Porque não sabem, porque não têm jeito, porque não gostam, porque não se sentem capazes de fazer um trabalho razoável. Ao fim de alguns anos a treinar pessoas, posso acrescentar que não existe um talento inato para a área comercial. Não existe um dom. Nem sequer um conjunto de características especiais que tornam os comerciais, profissionais de sucesso. Existe trabalho, existe treino, existe dedicação e existe esforço. E assim chegamos à segunda verdade. Também simples.

Foi-nos ensinada pelos nossos pais e esforçamo-nos imenso por ensinar aos nossos filhos. É preciso estudar, trabalhar muito e ser bem educado para ter sucesso na vida. Com estas três coisas seremos profissionais de sucesso na maioria das profissões que não exigem talentos especiais, como é o caso dos comerciais. Ser comercial é gostar de pessoas e de contacto humano. Nada mais. Ou melhor, pouco mais, porque tal como qualquer outra profissão exige estudo, preparação, treino e dedicação. Não é preciso tirar cursos caros. A internet está cheia de dicas, livros, palestras, imenso material para quem esteja disposto a aprender. Falando do meu caso, quando quero ajudar alguém que oferece esta resistência, a minha resposta tem sido: Tenta. Não pode ficar pior do que está. O que é que custa? Diria que no fundo sei que custa o orgulho. Primeiro porque as pessoas ainda veem os comerciais como seres de segunda, reles e aproveitadores – estamos chegados a uma boa altura para começarmos a respeitar quem trabalha.

Segundo porque as pessoas não confiam o suficiente nas suas capacidades, inclusive de aprendizagem, e têm medo da mudança – mais uma vez, uma boa altura para arriscar.Para todos os que pretendem flexibilidade, salários mínimo garantido, boas condições de trabalho e o respeito dos colegas, sugiro que espreitem as funções comerciais que estão abertas nos sites de recrutamento ou nos jornais. Os requisitos são poucos, porque no fundo, o que é preciso para se ser um bom comercial, é gostar de pessoas e estar disposto a aprender.

Boa sorte aos corajosos.



publicado por flexbilizar ~ conciliar às 00:22
link | comentar



Facebook e-mail declaração de princípios
pesquisar
 
últimas notícias

Conquistar terreno no mer...

Esperar que as coisas aco...

Trabalho mais do que nunc...

Regresso ao Interior

Comercial - aprender para...

Má experiência com final ...

Compreender, focalizar, p...

Flexibilizar com Austerid...

Uma experiência de super-...

os nossos 10 mandamentos

tags

todas as tags

arquivo

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

subscrever feeds