Sábado, 14 de Maio de 2011
Movimento "Revolucionar para Flexibilizar"
"Revolucionar para flexibilizar" é um movimento que nasceu espontaneamente, a partir da vontade expressa de muitas mães portuguesas, de contextos, profissões, classes e até países diferentes.

"Revolucionar para flexibilizar" é um movimento de esclarecimento, informação, apoio e luta a favor de um mercado de trabalho que, em vez de penalizar, promova a maternidade cumprindo integralmente a legislação já existente e mantendo-se aberta a novas e mais profícuas formas de relação laboral, seguras e lucrativas para todos.

"Revolucionar para flexibilizar" não está contra nada nem ninguém. Pelo contrário, a nossa missão é defender:

- as mães e pais, que carregam nas costas os compromissos profissionais e o eterno compromisso que assumiram com a educação e o bem-estar dos seus filhos. As mães e pais que trabalham porque querem ser úteis ao país e as(os) que deixaram de trabalhar porque a conciliação era impossível. As mães e pais que não deixam de ser mulheres e homens, que não podem nem devem admitir que a sua competência e o seu profissionalismo sejam postos em causa porque amamentam, porque mudam fraldas, porque acalmam febres, porque acompanham o percurso escolar dos seus filhos.

- as crianças, que são obrigadas a viver o mesmo stresse das mães, que acordam a correr, vestem-se a correr, comem a correr e são privadas da amamentação, em favor de um sistema laboral que é mais exigente com a rigidez de horário do que com a real produtividade. Investir no bem-estar das crianças hoje é garantir que teremos, amanhã, adultos mais felizes, mais competentes e mais equilibrados.

- as empresas, que muitas vezes vêem as recém-mamãs diminuirem a sua produtividade pela exaustão, pelas preocupações, pelo stresse de não conseguirem acompanhar os seus filhos na escola, levá-los ao médico,
dar-lhes banho e deitá-los na cama. Estamos em crise, e em tempo de crise devemos estar abertos a tudo o que possa melhorar a performance, a produtividade e a rentabilidade das nossas equipas e das nossas
empresas. Flexibilizar não é permitir trabalhar menos nem mais: é permitir trabalhar melhor, mais feliz, mais motivado, mais capaz.

- o país. Porque o estado de desenvolvimento e competitividade que atingirmos amanhã enquanto Estado, depende da forma como hoje tratamos as nossas crianças enquanto indivíduos. Investir na educação é ter
visão. Visão de médio e longo prazo. E não são apenas as escolas que têm de investir na educação. Todos somos responsáveis, em cada decisão do dia-a-dia que tomamos. Mães mais realizadas educam melhor e
crianças bem educadas são as sementes de um pais mais justo, mais sólido, mais honesto, mais rico e mais sustentável.

"Revolucionar para flexibilizar" quer que as leis já existentes sejam cumpridas e que se avance no sentido de uma legislação mais evoluída e civilizada.

Para cumprirem de forma excelente as suas múltiplas funções, as mães e os pais têm sido verdadeiramente elásticas. Está na altura de as empresas também o serem. Para cumprirmos todos, de forma excelente, um país melhor.

Flexibilização para maior produtividade
Flexibilização para uma sociedade mais equilibrada


A resposta a esta situação passa inevitavelmente pela flexibilização, acompanhada de políticas de conciliação entre o trabalho e a família que passariam pelo trabalho em casa, pela coordenação do tempo de trabalho com férias escolares, pela implementação de um verdadeiro mercado de trabalho em tempo parcial, por horários flexíveis ou reduzidos, por bancos de horas, por semanas de trabalho comprimidas, por uma flexibilização de benefícios sociais (tendo em conta creches, contribuições para despesas escolares) e uma facilitação do regresso no mercado de trabalho.

Um mercado de trabalho mais flexível reduziria as faltas, promoviria a motivação e aumentaria a tão necessária e desejada produtividade.

A conciliação entre a vida familiar/pessoal e o mundo do trabalho é essencial para uma sociedade de sucesso, saudavel e produtiva.


publicado por flexbilizar ~ conciliar às 15:26
link | comentar

16 comentários:
De Carlos a 6 de Maio de 2011 às 10:58
Parece-me excelente. Abrange todos os lesados e potenciais beneficiários, se as mentalidades começarem a mudar.
A maior dificuldade nas mudanças parece-me que irá ser ao nível escolar. Os horários do 1º ciclo não são conciliáveis com nada e os profissionais que trabalham nessas escolas também sofrem todas estas angústias.


De Ana a 6 de Maio de 2011 às 10:58
assino por baixo!


De Joana a 6 de Maio de 2011 às 11:22
É claro que apoio!

Eu neste momento ando sem tempo, não posso contribuir mais, mas gostava. Ando a trabalhar com horários que me são impostos pelas marés, não por nenhum patrão. E é um trabalho cansativo e stressante. É assim todos os anos até final de Julho.

Mas acho (embora não saiba como) que o que se deve mudar são as mentalidades. E não digo as mentalidades das empresas/patrões, mas mesmo as nossas. Quantos de nós confessámos que olhávamos de lado quem tinha filhos e saia a horas certas e não estava disponível ANTES de experimentarmos a maternidade/paternidade?

E também acho que isto está a acontecer demasiado depressa. Não acho mal, só não consigo acompanhar com a atenção que é devida.


De RAINHA MÃE a 6 de Maio de 2011 às 11:30
Fantástico!!!! E agora o que fazemos (ou o que faço??)


De Filipa a 6 de Maio de 2011 às 12:04
eu apoio!!!também tenho um ritmo de vida alucinante, uma filha com 4 anos e um filho com 2 anos. Procuro uma alternativa com um horário reduzido/e ou flexivel porque quero poder acompanhar mais os meus filhos e estar mais disponivel para eles sem estar sempre tão cansada! É mesmo necessário haver alternativas por parte das entidades patronais. Afinal as mães não deixam de ser boas profissionais só porque precisam de mais tempo para a família. Só assim podemos ser uma sociedade mais saudável e produtivo ao mesmo tempo. Como posso colaborar? Filipa


De maria vinagre a 6 de Maio de 2011 às 14:03
Eu também assino por baixo...
Lurdes Bernardo


De A mãe que capotou a 6 de Maio de 2011 às 14:19
Quem quiser participar e estar por dentro de todas as acções aproxime-se, estamos no facebook,
procurem "Revolucionar para Flexibilidade".


De Ana Rute Oliveira Cavaco a 6 de Maio de 2011 às 14:45
Isso! (ando com pouca disponibilidade para participar como deve ser)


De Diana Bento da Silva a 6 de Maio de 2011 às 15:54
Apoiado!


De Mané a 6 de Maio de 2011 às 15:57
...já sabes que podes contar comigo! ;)))


Comentar post



Facebook e-mail declaração de princípios
pesquisar
 
últimas notícias

Conquistar terreno no mer...

Esperar que as coisas aco...

Trabalho mais do que nunc...

Regresso ao Interior

Comercial - aprender para...

Má experiência com final ...

Compreender, focalizar, p...

Flexibilizar com Austerid...

Uma experiência de super-...

os nossos 10 mandamentos

tags

todas as tags

arquivo

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

subscrever feeds