Quinta-feira, 28 de Abril de 2011
Ás de Flexibilidade
Outro dia joguei a cartada da flexibilidade e fui almoçar com as minhas amigas/ex-colegas. Saí a meio da manhã e regressei a meio da tarde, sem dramas nem preocupações em excesso. Almoçámos, conversámos e no fim fiquei a ver aquelas pessoas dirigirem-se para o escritório, pensando na ficha de atraso que iriam preencher, na tarde longuíssima que ainda faltava cumprir, e no facto de eu já não as acompanhar. Eu fiquei ali a dizer-lhes adeus e a pensar "há seis meses voltavas com eles" e devo confessar que senti um misto de tristeza e alegria, tristeza pelo rumo que eles levaram e alegria pelo meu rumo - uma hora bem medida de conversa com outra amiga que também atirou tudo ao alto.

Eu demorei seis anos a mudar de vida, cheguei àquele escritório solteira, casei, comprei casa, tive uma filha e passei-me. Raras foram as vezes que enviei um curriculum, pois as condições que tinha dificilmente seriam repetidas noutra empresa, sendo assim, a ideia seria: "quando me for embora, fico por minha conta", e assim foi, e assim é. Libertei-me daquilo, perdi muitas coisas boas, tal como remuneração certa, seguro de saúde, prémios, não trazer trabalho para casa. Hoje a minha vida é totalmente o contrário, no entanto ganhei o Tempo, que como todos sabem não tem preço por estar ao nível dos materiais mais preciosos.

A flexibilidade da nossa vida laboral tem ainda um longo caminho a percorrer, a mudança de mentalidades é sem dúvida um grande obstáculo, muitas empresas devem olhar para os seus modelos e reavaliar as suas regras internas tendo como objectivo, não só o lucro monetário, mas também o lucro de recursos humanos. Naturalmente que nem todas as profissões e empresas se podem moldar a estes projectos, nomeadamente a indústria de transformação contínua, mas quem está um dia inteiro colado frente a um computador poderá questionar se realmente o seu trabalho é mesmo essencial in loco. Lá por onde trabalhei isso foi sempre considerado como "fora de questão!", mas eu acredito que por lá as coisas possam mudar e que um dia os meus ex-colegas possam gozar melhor as suas condições de contratos sem termo.

Sofia Simões
http://redondaquadrada.blogspot.com/2011/05/as-de-flexibilidade.html


publicado por flexbilizar ~ conciliar às 13:59
link | comentar



Facebook e-mail declaração de princípios
pesquisar
 
últimas notícias

Conquistar terreno no mer...

Esperar que as coisas aco...

Trabalho mais do que nunc...

Regresso ao Interior

Comercial - aprender para...

Má experiência com final ...

Compreender, focalizar, p...

Flexibilizar com Austerid...

Uma experiência de super-...

os nossos 10 mandamentos

tags

todas as tags

arquivo

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

subscrever feeds