Quinta-feira, 28 de Abril de 2011
Só preciso de uma moeda de cem escudos
Durante uns tempos, para ir para a universidade eu tinha de apanhar a camioneta até à Póvoa e depois uma boleia até ao Porto. Ao fim do dia, se não chegasse à Póvoa a tempo da última camioneta, tinha de telefonar à minha mãe para me ir buscar e isso era uma daquelas coisas a evitar a todo o custo, porque eram muito raras as vezes em que ela encarava essa tarefa com boa disposição.

Ora, o que acontecia frequentemente era eu não ter dinheiro para o bilhete, por causa do tabaco que não deveria ter comprado, e por isso ia o caminho todo até à paragem da camioneta a olhar para o chão na esperança de encontrar os cem escudos que deveria ter guardado - coisa que nunca aconteceu -, e depois sentava-me no banco de pedra, em frente à paragem, na esperança que alguém da minha aldeia passasse e me desse boleia, o que felizmente aconteceu várias vezes.

Agora, quando olho para trás, tenho muitas vezes pena dessa rapariga que fui e sinto verdadeira compaixão ao vê-la naquele banco de pedra a dizer a si própria que não pode viver assim, que tem de ser mais sensata, e a saber que no dia seguinte vai fazer a mesma coisa. No dia seguinte, talvez não, mas na semana seguinte seguramente. Vai comprar o maço de tabaco, porque tem vergonha de estar sempre a cravar e vai acreditar que o acaso, ou a sorte, lhe vão deixar uma moeda de cem escudos no chão, mesmo que isso nunca tenha acontecido.

E o mais estranho é que eu continuo a ser essa rapariga. A moeda de cem escudos que estou à espera de encontrar é um emprego que me permita conciliar a vida familiar com a vida profissional. Porque não consigo ser só mãe e não quero abdicar de o ser por causa do trabalho. Desde que nasceu a minha primeira filha tornou-se óbvio, para mim, que seria impossível conciliar as duas coisas e, portanto, optei por desistir de uma delas, mas sempre à espera de encontrar a tal moeda algures no percurso escolhido.

E as moedas, como se sabe, têm dois lados, por isso eu teria de escolher entre:
Cara: um part-time numa empresa com pessoas motivadas e felizes.
Coroa: criar o meu próprio negócio.

Quem sabe um dia...afinal, já somos um movimento. De mães e pais.
Calita Fonseca

http://panadosearrozdetomate.blogspot.com/2011/05/so-preciso-de-uma-moeda-de-cem-escudos.html


publicado por flexbilizar ~ conciliar às 10:41
link

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 





Facebook e-mail declaração de princípios
pesquisar
 
últimas notícias

Conquistar terreno no mer...

Esperar que as coisas aco...

Trabalho mais do que nunc...

Regresso ao Interior

Comercial - aprender para...

Má experiência com final ...

Compreender, focalizar, p...

Flexibilizar com Austerid...

Uma experiência de super-...

os nossos 10 mandamentos

tags

todas as tags

arquivo

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

subscrever feeds